domingo, 30 de junho de 2013

O GIGANTE RESSURGE

Marcelo Theobald e Alexandre Cassiano/Ag. O Globo





O Brasil está de volta. Há dois meses falei aqui que o Brasil não tinha time. Hoje posso dizer com todo orgulho: queimei a língua. Só espero que ano que vem o Brasil quebre um tabu e ganhe a Copa do Mundo. E espero também que essa onda de protestos possa levar o Brasil a ser um país melhor. Isso também vale pra CBF, que seja mais transparente e mais organizada. Já provamos que dentro de campo o talento resolve, agora fora de campo vivemos marcando gols contra. E que esse título seja o recomeço de uma era de vitórias.

Como o Brasil jogou diante da Espanha

Hora de fazer minha última availação e eis as notas dos jogadores:

Marcelo Theobald/Ag. O Globo, Carlos Moraes/Ag. O Dia e Jorge Silva/Reuters








- Júlio César: Prova definitivamente que recuperou a sua posição, quase nem teve trabalho: 9
- Daniel Alves: Cuidou dos avanços de Mata e apareceu pouco no ataque: 8
- Thiago Silva: Mostrou segurança anulando os avanços de Torres: 9
- David Luiz: Atuação de gala e salvou um gol certo de Pedro: 10
- Marcelo: Cometeu pênalti infantil em Navas que quase pôs tudo a perder: 7
- Luiz Gustavo: Implacável na marcação com ótima participação no desarme: 9
- Paulinho: Por muito pouco não marca um belo gol, mas sai bastante valorizado da competição: 9
- Oscar: Finalmente jogou de forma participativa dando o passe para o segundo gol de Neymar: 8
- Hulk: Jogou com raça e saiu aplaudido de campo: 8
- Neymar: Jogou muito, deitou e rolou em cima dos marcadores e fechou com mais um gol sua grande participação na Copa das Confederações: 10
- Fred: Outro que deu definitivamente a volta por cima. Renegado por Mano Menezes, renasceu com Felipão e marcou dois gols decisivos, no primeiro, um gol de raça e no segundo, técnica e precisão. Tem tudo pra ser nosso homem gol na Copa: 10

- Jadson: Entrou para jogar 20 minutos e destacou - se com bons passes: 7
- Jô: Sai do torneio em alta com seus dois gols e quase deixou sua marca novamente: 8
- Hernanes: Apenas entrou pra dizer que participou da final: 6

Luiz Felipe Scolari: Conseguiu resgatar o espírito de seleção e fez com que o Brasil tivesse um time. Agora é só manter o espírito pra Copa.

Na Espanha, Iniesta foi o destaque num dia em que Xavi não rendeu o esperado no meio campo e Piqué fez uma desastrosa atuação que foi coroada com sua expulsão merecida. É bom a Espanha se cuidar.

CHOCOLATE COM DIREITO A OLÉ: Brasil coloca Espanha na roda e conquista o tetra da Copa das Confederações

Nilton Fukuda, Fabio Motta e Wilton Junior (2)/AE, Jorge Silva e Kai Pfaffenbach/Reuters, Eugene Hoshiko/AP, Carlos Moraes, Uanderson Fernandes e André Luiz Mello/Ag. O Dia, Ivo Gonzalez (6), Marcelo Carnaval e Cezar Loureiro (4)/Ag. O Globo, Daniel Ferreira (3)/CB Press/DA e Alexandre Guzanshe/EM

Fred se destacou ao marcar dois gols na final no Maracanã



































Fred comemora após marcar o 4º gol do Brasil na partida contra a Espanha Saiba mais sobre o jogo



David Luiz vai parar dentro do gol após fazer uma defesa na partida contra a Espanha  Saiba mais sobre o jogo














Neymar chuta para marcar o 2º gol do Brasil na final da Copa das Confederações contra a Espanha  Saiba mais sobre o jogo























Fred gol Brasil final Espanha  (Foto: Ivo Gonzalez / Agencia O Globo)



Brasil passeia e derruba invencibilidade espanhola com show de Fred e Neymar

Um domingo histórico com Maracanã lotado e um passeio verde amarelo. Assim, o Brasil arrasou, atropelou, devastou, demoliu a tão decantada seleção espanhola. Foi um baile, uma lição, uma demonstração de que o gigante despertou. Em meio à onda de protestos que marcou o evento, a torcida carioca mais uma vez deu show e junto com os jogadores cantou com fervor o hino nacional. E quem esperava um gol do Brasil logo no começo. Com menos de dois minutos o Brasil abriu o placar com Fred. Um gol de raça, oportunismo e talento. O gol abalou a Espanha que foi pro jogo, tentou equilibrar as ações, mas demonstrou nervosismo. Na melhor chance espanhola no primeiro tempo, Pedro driblou Júlio César e chutou, mas David Luiz salvou em cima da linha. Daí veio a resposta mortal. Num contra ataque mortal, Neymar iniciou jogada, mas não rendeu. Oscar recuperou a bola e passou para o chute mortal e potente sem chance de defesa pra Casillas. Logo no segundo tempo a confirmação da vitória maiúscula, logo no começo com o segundo gol de Fred que chutou de chapa e decretou o chocolate matando qualquer chance de reação espanhola. Nem as entradas de Azpilicueta e David Villa mudaram o panorama. A Espanha ainda teve um pênalti de Marcelo em Navas, mas Sergio Ramos chutou pra fora acabando de vez com as chances. A expulsão de Piqué só ratificou a condição. A partir daí, o time só tocou com tranquilidade e adminsitrou a enorme vantagem. Fim de jogo e festa no Maraca. O Brasil é tetra da Copa das Confederações e mostra enorme potencial para recuperar o posto de melhor do mundo.

BRASIL 3 X 0 ESPANHA
BRASIL - Julio Cesar; Daniel Alves, Thiago Silva e David Luiz; Luiz Gustavo, Paulinho (Hernanes) e Oscar; Hulk (Jadson), Neymar e Fred (Jô). Técnico - Luiz Felipe Scolari. ESPANHA - Casillas; Arbeloa (Azpilicueta), Sergio Ramos, Piqué e Jordi Alba; Busquets, Iniesta e Xavi; Mata (Jesus Navas), Pedro e Fernando Torres (David Villa). Técnico - Vicente Del Bosque.
GOLS - Fred, a 1, e Neymar, aos 43 minutos do primeiro tempo; Fred, a 1 minuto do segundo tempo.
ÁRBITRO - Bjorn Kuipers (Holanda). CARTÕES AMARELOS - Sergio Ramos e Arbeloa. CARTÃO VERMELHO - Piqué.
RENDA - Não disponível. PÚBLICO - 73.531 pagantes. LOCAL - Estádio do Maracanã, no Rio.


Wilton Junior/AE

Brasil faz campanha impecável na Copa das Confederações e festeja título
Parabéns ao Brasil, tetracampeão da Copa das Confederações da FIFA!!!

Matt Kenseth não dá mole e vence no Kentucky


 


















[159334193CH00078_Quaker_Sta]

Com uma excelente e arriscada estratégia, Matt Kenseth venceu a prova do Kentucky, sua quarta vitória no ano e contou ainda com o azar de Jimmie Johnson que errou em uma relargada e acabou rodando, mesmo assim acabou chegando na nona colocação. Os cinco primeiros no Kentucky: Matt Kenseth, Jamie McMurray, Clint Bowyer, Joey Logano e Kyle Busch. A próxima corrida da temporada acontece no sábado que vem no superspeedway de Daytona.

Buffon pega três pênaltis e Itália fica com a terceira colocação

Julio Cesar Guimarães/UOL, Daniel Garcia e Vincenzo Pinto (3)/AFP e Guito Moreto (3)/Ag. O Globo

h-opacity90 transition-025
































Itália e Uruguai lutaram até o fim, mas quem fica com a terceira colocação é a seleção italiana em grande atuação de Buffon

A Itáila ficou com o terceiro lugar da Copa das Confederações depois de 120 minutos de uma batalha com a aguerrida seleção do Uruguai. Diante de calor intenso na Arena Fonte Nova, as duas equipes travaram um jogo equilibrado e a Itália saiu na frente. Diamanti cobrou falta, a bola fez efeito, bateu em Muslera e entrou. A FIFA deu gol para Astori. Na segunda etapa o Uruguai foi pra cima e chegou ao empate com Cavani que chutou de primeira na saída de Buffon. A Itália voltou a ficar na frente com o belo gol de falta de Diamanti cobrando falta, só que Cavani também de falta empatou de novo e a partida então foi pra prorrogação. nos 30 minutos as duas equipes acabaram cansando e esperaram os pênaltis e assim o jogo foi pra decisão nos tiros livres. Logo na primeira cobrança uruguaia, Forlán voltou a perder pênalti ao chutar pra defesa de Buffon. As cobranças seguiram até que Muslera defendeu a cobrança de De Sciglio recolocando o Uruguai de novo, mas Buffon virou herói ao defender as cobranças de Cáceres e Gargano dando a Itália a terceira colocação no torneio.

FICHA TÉCNICA:
ITÁLIA 2 (3) x (2) 2 URUGUAI
ITÁLIA - Buffon; Maggio, Astori (Bonucci), Chiellini e Di Sciglio; De Rossi (Aquilani), Candreva, Montolivo e Diamanti (Giaccherini); El Shaarawy e Gilardino. Técnico: Cesare Prandelli. URUGUAI - Muslera; Maxi Pereira (Álvaro Pereira), Lugano, Godín e Cáceres; Arévalo (Diego Pérez), Gargano e Cristian Rodríguez (González); Diego Forlán, Luis Suárez e Cavani. Técnico: Óscar Tabárez.
GOLS - Astori, aos 23 minutos do primeiro tempo. Cavani, aos 12 e aos 32, e Diamanti, aos 28 minutos do segundo tempo.
ÁRBITRO - Djamel Haimodi (Fifa/Argélia). CARTÕES AMARELOS - Maxi Pereira, Suárez e Chiellini. CARTÃO VERMELHO - Montolivo.
RENDA - Não disponível. PÚBLICO - 43.382 pagantes. LOCAL - Arena Fonte Nova, em Salvador (BA). 

Pneus decidem e vitória cai no colo de Nico Rosberg











hamilton Silverstone inglaterra formula 1 (Foto: Getty Images)



A sorte caiu no colo de Nico Rosberg. O piloto da Mercedes escapou das confusões e venceu o Grande Prêmio da Inglaterra numa prova marcada pelo festival de pneus estourados. Quatro pilotos tiveram pneus furados. O primeiro da lista foi Lewis Hamilton que havia largado na pole e teve o pneu traseiro esquerdo furado. Ele ainda se recuperou e foi o quarto colocado. Felipe Massa que fez uma largada com a faca nos dentes também foi vítima dos compostos também no mesmo pneu que Hamilton furou. Ele caiu pra último e se recuperou chegando na sexta colocação. Jean Eric Vergne e Sergio Perez também furaram pneus e acabaram abandonando. Para Sebastian Vettel, a vitória acabou virando frustração quando teve problemas na caixa de câmbio e parou seu carro no meio da reta principal obrigando a intervenção do safety car. Nas voltas finais intensas disputas na ponta e no meio do pelotão com destaque para Fernando Alonso que galgou posições e ainda beliscou seu lugar no pódio chegando em terceiro e Mark Webber que chegou a ameaçar Nico Rosberg, mas teve de se contentar com o segundo lugar. Mesmo abandonando, Vettel mantém se na liderança, só que agora com 21 pontos de vantagem sobre Alonso. A próxima corrida da temporada será realizada no domingo que vem com o Grande Prêmio da Alemanha em Nurburgring.

Confira o resultado final do Grande Prêmio da Inglaterra (52 voltas):
1 - Nico Rosberg(ALE/Mercedes)1h32m59s456
2 - Mark Webber(AUS/RBR)- a     0s765
3 - Fernando Alonso(ESP/Ferrari)- a     7s124
4 - Kimi Raikkonen(FIn/Lotus)- a    7s756
5 - Lewis Hamilton(ING/Mercedes) - a    11s257
6 - Felipe Massa(BRA/Ferrari)- a    14s573
7 - Adrian Sutil(ALE/Force India)- a    16s335
8 - Daniel Ricciardo(AUS/STR)- a    16s500
9 - Paul Di Resta(ESC/Force India)- a    17s993
10 - Nico Hulkenberg(ALE/Sauber)- a    19s700
11 - Pastor Maldonado(VEN/Williams)- a    21s100
12 - Valtteri Bottas(FIN/Williams) - a    25s000
13 - Jenson Button(ING/McLaren) - a    25s900
14 - Esteban Gutiérrez(MEX/Sauber)- a    26s200
15 - Charles Pic(FRA/Caterham)- a    31s600
16 - Jules Bianchi(FRA/Marussia)- a    36s000
17 - Max Chilton(ING/Marussia)- a  1m07s600
18 - Guiedo van der Garde(HOL/Caterham)- a  1m07s700
19 - Romain Grosjean(FRA/Lotus)- a     1 volta
Não completaram:
Sergio Pérez             (MEX/McLaren) - 47 voltas
Sebastian Vettel         (ALE/RBR) - 42 voltas
Jean-Eric Vergne         (FRA/STR) - 36 voltas
Volta mais rápida: Mark Webber(AUS/RBR): 1m33s401, na volta 52