sábado, 3 de setembro de 2016

Top 5: O Brasil depois do Impeachment e protestos na Venezuela

A semana marcou o fim de uma era no poder no Brasil e na Venezuela uma onda de protestos contra o governo de Nicolás Maduro.







1 - Brasil pós Impeachment: A semana começou com Dilma Rousseff indo ao Senado se defender das acusações de cometer crime de responsabilidade, mas não foi suficiente pra impedir a derrota final. Na tarde de quarta feira o Senado julgou e o voto de 61 deles a favor cassou o mandato e Dilma deixou definitivamente a Presidência da República encerrando um ciclo de 13 anos do PT no governo. Michel Temer assumiu a Presidência, mas teve de viajar para a China em seu primeiro compromisso como presidente. Dilma escapou de perder os direitos políticos e com isso pode se candidatar novamente, mas já existem indicios de que o julgamento fatiado pode ser anulado, pois o PT entrou com recurso que será apreciado pelo Supremo. Por outro lado manifestações contra o governo Temer começam a pipocar, só que o próprio Temer mininizou dizendo que são pequenos grupos, mas em um evento em Petrópolis, na região serrana do Rio o ministro da Cultura Marcelo Calero foi chamado de golpista e se retirou. Em mensagem o Papa Francisco disse que o Brasil atravessa um momento triste e confessou que não deverá visitar o país no próximo ano.



2 - Venezuela: Uma onda de protestos contra o governo de Nicolás Maduro e ONGs denunciam a ação truculenta da Polícia venezuelana. Ao todo 30 pessoas foram detidas. A oposição ao governo Maduro exige a ativação de um referendo revogatório.



3 - Máfia das próteses: A PM de Brasília prendeu 13 pessoas suspeitas de integrar a chamada Máfia das Próteses, em que consistia em instalar órteses e próteses em cirurgias desnecessárias.

O candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump

4 - Eleições americanas: A divulgação de um relatório do FBI sobre o uso de e-mails de forma irregular pela candidata do Partido Democrata Hillary Clinton deu nova dor de cabeça para ela. E em pesquisa divulgada pelo Instituto Ipsos o candidato do Partido Republicano Donald Trump conseguiu reverter a situação e lidera a intenção de voto com 40% contra 39% de Hillary.



5 - Imigração: Nem mesmo a morte do pequeno Aylan um ano depois mudou a situação, pelo contrário aumentou o número de mortes de refugiados da guerra na região do mar Mediterrâneo. Foram mais de 4100 mortes, sendo 423 crianças mortas na travessia.

Imagem da semana



Na tarde da última quarta feira este documento simbolizava o fim de uma era no poder. Com o impeachment de Dilma o PT deixou de governar o país e com isso como manda a Constituição Michel Temer assumia de vez o comando do Brasil nos próximos dois anos.

Sábado que vem tem mais.

Nenhum comentário: