domingo, 21 de dezembro de 2014

Retrospectiva 2014: Hamilton, Barrichello, Totti, Harvick e Power: os reis das pistas em 2014

A Retrospectiva 2014 prossegue e a partir de agora o esporte toma conta do pedaço. Para começar, cheiro de gasolina com o ano da velocidade. Uma temporada repleta de grandes campeões. Na Fórmula 1 Lewis Hamilton e a Mercedes sobraram na temporada, na Indy o equilíbrio foi fundamental na conquista de Will Power, emoções no novo formato do Chase na NASCAR e o título sensacional de Kevin Harvick, aqui no Brasil assistimos a ressureição de Rubens Barrichello que triunfou na Stock Car e Leandro Totti mandando bem na Fórmula Truck.

Fórmula 1: O ano de uma só equipe





Lewis Hamilton dominou a temporada e venceu 11 corridas se sagrando bicampeão em Abu Dhabi

A Mercedes reinou absoluta e dominou a temporada de Fórmula 1. As flechas de prata não tiveram adversários e juntos Lewis Hamilton e Nico Rosberg venceram mais de 85% das provas disputadas este ano num domínio avassalador, lembrando outras equipes que dominaram uma temporada. O único que furou o domínio foi Daniel Ricciardo da Red Bull que venceu três corridas. E o duelo dos dois pilotos foi intenso e feroz da primeira à última corrida e quem levou a melhor foi Lewis Hamilton que chegou ao seu segundo título na carreira.

Logo na primeira corrida a vitória foi de Nico Rosberg, depois Hamilton emplacou quatro vitórias seguidas: Malásia, Bahrein onde foi realizado o primeiro grande pega, China e Espanha. No GP de Mônaco a rivalidade floresce e Hamilton rompe com Rosberg que vence a prova. No Canadá as Mercedes acabaram provando que não eram infalíveis. Hamilton abandonou e Rosberg foi o segundo. A normalidade voltou na Áustria e Nico venceu sua terceira corrida com Hamilton em segundo. Correndo em casa Hamilton não deu chances a Rosberg e venceu diante de sua torcida, Nico deu o troco uma corrida depois fazendo a festa na Alemanha. Na Hungria uma corrida imprevisível na pista molhada e no fim Hamilton sobe ao pódio numa fantástica prova de recuperação. Na Bélgica mais um capítulo da rivalidade: Nico fura o pneu de Hamilton que abandona e ainda chega em segundo atrás de Ricciardo. Na Itália Hamilton inicia a série de vitórias que o levaria ao título: 1º em Monza, 1º em Cingapura, 1º no Japáo, 1º em Sochi, 1º em Austin. Em Interlagos o vencedor foi Nico Rosberg e a decisão ficou pra corrida final em Abu Dhabi. E aí Hamilton não deu chances e venceu a corrida ficando com o título. Além de fazer campeão e vice a equipe levou o mundial de construtores.





Se a primeira parte foi ruim, a segunda fase foi mehor para Felipe Massa com três pódios num ano em que a Williams renasceu para voltar a brigar por vitórias

Depois de uma temporada ridícula a Williams ressurgiu e em 2014 voltou a brigar por vitórias e bons resultados. A escuderia inglesa fez uma boa temporada, poderia ser melhor se não fosse a maré de azar de Felipe Massa no começo da temporada. O brasileiro se envolveu em acidentes no começo das corridas: foram três acidentes na Austrália, Inglaterra e Alemanha, mas na segunda parte o desempenho melhorou e Massa subiu três vezes ao pódio: 3º na Itália e no Brasil onde recebeu o carinho da torcida que invadiu a pista de Interlagos e em Abu Dhabi poderia ter vencido pois arriscou uma tática ousada, mas os pneus não resistiram e ele acabou em segundo lugar, o melhor resultado do ano. E ele ainda fez a pole na Áustria. O brasileiro terminou o campeonato em sétimo lugar enquanto seu companheiro Valtteri Bottas teve melhor desempenho e terminou o campeonato em quarto lugar. Já para Sebastian Vettel e Fernando Alonso um ano pra esquecer. Vettel viu seu prestígio de tetracampeão ir pelo ralo com a chegada de Daniel Ricciardo que venceu três corridas enquanto Alonso bem que tentou extrair alguma coisa, mas o carro da Ferrari não rendeu o esperado. No ano de 2015 eles trocam de escuderias: Vettel assume o cockpit da Ferrari e Alonso vai pra McLaren onde fará dupla com Jenson Button e que terá os motores Honda.

A sombra da morte



Jules Bianchi recebe atendimento após o acidente: piloto francês segue internado em estado estável, mas crítico

O Grande Prêmio do Japão estava caminhando normalmente quando um acidente com Adrian Sutil interrompeu a prova. Os carros andavam devagar, mas de repente o pior acontece. Enquanto um guindaste removia o carro de Sutil a Marussia de Jules Bianchi vem e acerta em cheio o guindaste. Bianchi havia perdido o controle do carro na curva 7 e atingiu o veículo. O piloto ficou gravemente ferido, levado ao hospital onde foi constatada uma lesão axional difusa, depois foi transferido pra França onde continua internado em estado estável, mas crítico. O acidente com Bianchi foi o estopim pra saída da Marussia. A equipe teve de vender os equipamentos. Diferente da Marussia a Caterham corre o risco de ficar de fora da temporada caso não arranje um comprador. Para correr em Abu Dhabi a escuderia teve de realizar uma vaquinha na Internet.

O mundo da velocidade também passou o ano acompanhando notícias de Michael Schumacher que passou os primeiros seis meses em coma. Schummy bateu com a cabeça enquanto estava esquiando na França. Em junho o alemão saiu do coma e continuou o seu tratamento com a família em sua casa na Suíça.

Sangue novo do Brasil na categoria



Felipe Nasr será o 31º brasileiro a correr na Fórmula 1 e fará sua estreia na Sauber

No ano de 2015 o Brasil voltará a ter dois pilotos na categoria máxima do automobilismo com a chegada de Felipe Nasr. O brasiliense de 22 anos fará sua estreia como piloto da categoria correndo pela equipe Sauber. Depois de três temporadas na GP2 o brasileiro que era piloto de testes da Williams ganhará sua chance de mostrar talento agora como titular.

Indy: Will Power quebra maldição do vice e enfim é campeão



O australiano Will Power finalmente foi campeão depois de três vices

Na Fórmula Indy o ano foi de domínio da equipe de Roger Penske e o australiano Will Power depois de três vice campeonatos enfim pode soltar o grito de campeão. Mas não foi fácil para ele chegar lá. Power cometeu muitos erros durante o campeonato, mas a sorte mudou na reta final quando Hélio Castroneves teve problemas. A temporada foi equilibrada e 11 pilotos diferentes venceram corridas, Os mais vitoriosos foram Power e Ryan Hunter Reay que venceram três vezes. Para vencer o campeonato Power mostrou maturidade nos ovais e passou a andar bem nesse tipo de pista, inclusive vencendo em Milwaukee. Hunter Reay acabou vencendo as 500 milhas de Indianápolis ultrapassando Castroneves à duas voltas do fim.

Castroneves foi regular durante o ano, venceu uma corrida e liderava o campeonato até Mid Ohio quando começou a perder rendimento. Na última corrida em Fontana o brasileiro brigou até o fim, mas uma punição acabou custando caro e pela quarta vez teve de se contentar com o vice campeonato, o quarto. Tony Kanaan teve uma temporada irregular na Chip Ganassi, mas fechou o ano vencendo em Fontana fechando a temporada na sétima colocação.

Depois de ficar de fora este ano o Brasil vai voltar a receber a categoria. Brasília sediará a etapa brasileira da Indy no dia 8 de março. O Autódromo Nélson Piquet iniciou em dezembro a reforma para receber as feras da velocidade. O contrato durará cinco anos.

NASCAR: A consagração de Kevin Harvick em temporada alucinante





Kevin Harvick chegou este ano ao time de Tony Stewart e deu o segundo título para ele como dono de equipe e o primeiro na carreira

A temporada de 2014 da NASCAR foi alucinante do começo ao fim e quem sorriu por último foi Kevin Harvick que conquistou seu primeiro título na divisão principal. Uma das novidades adotadas pela NASCAR foi o novo Chase que trouxe emoção a cada fase. Os pilotos suaram e muito para seguirem em frente no mata mata e isso trouxe emoção e adrenalina a cada eliminação. E no fim a grande surpresa. Os favoritos ficaram pelo caminho: foi assim com Kyle Busch, Jeff Gordon, Brad Keselowski e Jimmie Johnson, a grande decepção do ano, apesar de suas quatro vitórias. O hexacampeão teve uma temporada abaixo do esperado e no Chase foi uma mera sombra do piloto que ganhou seis títulos em oito anos. O mesmo para Brad Keselowski, campeão de 2012 que foi notado pelas brigas que teve com Matt Kenseth e Jeff Gordon. A decisão em Homestead decidiria quem seria o campeão: Harvick, Denny Hamlin, Ryan Newman e Joey Logano disputaram o título e quem chegasse primeiro levava o título que foi de Harvick que numa estratégia arriscada trocou quatro pneus num pit stop decisivo e segurou Ryan Newman para vencer a prova e levar o título no ano de estreia na equipe de Tony Stewart. O tricampeão da categoria teve um ano difícil, pois em agosto se envolveu em um acidente ao atropelar o piloto Kevin Ward que acabaria morrendo.

Sem patrocínio os pilotos brasileiros ficaram a pé em 2014. Pelo menos Nelsinho Piquet participou de uma corrida na Sprint Cup em Watkins Glen onde chegou em 26º lugar. Já Miguel Paludo não conseguiu um lugar e ficou de fora interrompendo sua evolução. Na Nationwide Series o campeão foi Chase Elliott, de apenas 18 anos e na Truck Series Matt Crafton ficou com o bicampeonato.

Uma nova categoria chega pra mudar o automobilismo



Lucas di Grassi ajudou a desenvolver os carros e lidera por enquanto a temporada que só termina em 2015

A Fórmula E, mais nova categoria do automobilismo iniciou este ano uma história, ser a primeira categoria sustentável do planeta. Os motores são movidos à energia elétrica, com baterias recarregáveis e não poluem. A primeira temporada que só termina em 2015 teve até agora três provas disputadas, todas em circuitos de rua. A primeira em Pequim foi vencida pelo brasileiro Lucas di Grassi que ainda subiu ao pódio em Putrajaya e Punta del Este e lidera o campeonato.

Truck: O ano do "Marvado" Totti



Leandro Totti repetiu o feito de 2012 e começou o ano arrasador, fatores que contribuíram para o bicampeonato da Truck

Na Fórmula Truck o ano foi de domínio da equipe MAN que papou os títulos de pilotos e construtores. O responsável por isso foi Leandro Totti que chegou ao bicampeonato brasileiro e sul americano. Totti venceu seis corridas, sendo as cinco primeiras de forma consecutiva. Felipe Giaffone chegou a ameaçar, levou a decisão pra última corrida em Goiânia, mas problemas no câmbio tiraram a chance de mais um título. No próximo ano a categoria corre exclusivamente no Brasil.

Stock Car: A consagração de Rubens Barrichello



Rubinho Barrichello celebra o título da Stock Car e volta a comemorar um título depois de 23 anos de jejum

Rubens Barrichello desencantou. Depois de 23 anos de jejum ele conquistou o título da Stock Car numa temporada consagradora. Duas vitórias na temporada, entre elas a Corrida do Milhão deram a Barrichello a chance de brigar pelo título que veio com um terceiro lugar em Curitiba. O título também quebrou uma série de dez anos de títulos entre as equipes de Andreias Mattheis e Rosinei Campos. A equipe Full Time ainda teve Allam Khodair em quarto lugar. A partir deste ano o esquema de rodada dupla passou a ser adotado e no ano que vem as corridas serão disputadas à tarde.

Moto GP: O prodígio ataca novamente



Novamente número 1: Marc Marquez conquista o bicampeonato com um ano praticamente perfeito

Na Moto GP ninguém deteve Marc Marquez. O prodígio das duas rodas provou que o título conquistado no ano passado não era coisa do acaso. Este ano Marquez conquistou 13 vitórias no ano, o novo recorde e ele já soma ao todo 45 vitórias na carreira. E de quebra é o mais jovem piloto a alcançar o feito com apenas 21 anos.

O ano viu o adeus a Jack Brabham, tricampeão mundial e fundador da equipe Brabham que deu dois dos três títulos à Nélson Piquet e o italiano Andrea de Cesaris.

A retrospectiva prossegue nessa segunda com o ano esportivo em geral.

Nenhum comentário: