Pular para o conteúdo principal

Retrospectiva 2014 - E teve Copa sim senhor - Parte II

Na segunda parte desta retrospectiva da Copa vamos relembrar o mundial que ficou pra história como a Copa das Copas.

A bola enfim rolou em 12 de junho para o primeiro jogo do mundial: Brasil x Croácia. Era o pontapé inicial de um dos melhores mundiais de todos os tempos. 31 dias de agonia, êxtase, sofrimento e emoção. O número de gols marcados foi de 171 igualando a Copa de 1998 na França. A média de público foi a segunda da história com 55 mil pessoas por jogo e mais de 3 milhões nas arquibancadas.

O fim da era que ditou o planeta futebol


Espanha deixou cedo a Copa e o estilo tik taka foi sepultado

A seleção da Espanha era a seleção da moda antes da Copa pois era bicampeã europeia e campeã mundial na África do Sul em 2010, mas na Copa 2014 a Fúria nem sequer passou da primeira fase. Logo na estreia tomou uma sonora goleada da Holanda por 5 x 1 em Salvador com direito a um golaço de peixinho marcado por Robin Van Persie. Depois foram ao Maracanã querendo se redimir, mas acabou encontrando um inspirado Chile que venceu o jogo por 2 x 0 provocando a eliminação precoce dos espanhóis. Nem a vitória sobre a Austrália entusiasmou a torcida e o estilo tik taka chegava melancolicamente ao fim.


Mario Balotelli pouco fez na Copa: um gol e nada mais

Itália e Inglaterra caíram no chamado Grupo da Morte e logo se enfrentaram na estreia em Manaus e a Itália se deu bem com gol de Mario Balotelli. Os ingleses perderam para os uruguaios na segunda rodada e deram adeus com a derrota dos italianos para a Costa Rica. As duas seleções foram eliminadas sem deixar saudades.


Cristiano Ronaldo fez apenas um gol e repetiu Figo que como melhor do mundo nada fez 

E Cristiano Ronaldo? O melhor jogador do mundo nada pôde fazer, pois a limitada seleção portuguesa caiu na primeira fase e CR7 ainda fez um gol na vitória inútil sobre Gana em Brasília.

A zebra que derrubou todos


Antes da Copa a seleção da Costa Rica seria apenas figurante no Grupo da Morte e também seria o saco de pancadas, mas nem tudo era verdade. Surpreendentemente os costarriquenhos deram de ombros para o favoritismo dos rivais e terminou na liderança vencendo italianos e uruguaios. Nas oitavas eliminou nos pênaltis a seleção da Grécia e só parou nas quartas quando caiu diante da Holanda nos pênaltis.

Goleiros se destacam



Navas foi um dos nomes da brilhante campanha da Costa Rica e Howard se tornou recordista em número de defesas em um único jogo: os goleiros brilharam como nunca na Copa

Foram muitos os lances com os goleiros que foram as estrelas da Copa: Keylor Navas, da Costa Rica foi o grande nome da seleção da CONCACAF e ajudou o time a ir bem longe, outro nome de destaque foi Ochoa, o paredão mexicano que parou Neymar e cia, outro destaque foi Tim Krul, terceiro goleiro da Holanda que entrou para pegar pênaltis e foram três na classificação do time à semifinal diante da Costa Rica, o alemão Manuel Neuer que deu um novo significado pra posição de líbero e pra fechar Tim Howard, goleiro dos Estados Unidos que no jogo contra a Bélgica pelas oitavas de final fez 16 defesas de tirar o fôlego.

Revelação e artilheiro


Quando a Copa começou a Colômbia ficou sem Falcão Garcia, esperança de gols no ataque, mas surgiu rapidamente um candidato à estrela do futebol mundial. James Rodriguez apareceu de vez no mundo do futebol e conduziu a seleção da Colômbia a seu melhor resultado em todos os tempos: o quinto lugar geral. Foram seis gols que o coroaram artilheiro da Copa e um deles, o primeiro na vitória sobre o Uruguai nas oitavas foi considerado o mais bonito da Copa. Depois do mundial foi contratado pelo Real Madrid.

O canibal uruguaio


Suarez mordeu Chiellini e tomou uma suspensão de nove jogos, a maior aplicada pela FIFA

Antes da Copa o atacante Luís Suarez conseguiu se recuperar de uma cirurgia no joelho e contra a Inglaterra fez o gol da vitória de 2 x 1. No jogo contra a Itália que valia vaga ele atacou e deu uma de vampiro ao morder o ombro do italiano Chellini. O lance polêmico custou a ele a suspensão de nove partidas e quatro meses longe do futebol. Suarez voltou em outubro já jogando no Barcelona.

Os craques que desequilibraram




Robben desequilibrou para a Holanda, Messi conduziu sua seleção à final e foi eleito o craque da Copa e Neymar não tremeu e só não foi mais longe por causa de Zuñiga

Três jogadores se destacaram na Copa do Mundo no Brasil: Neymar, Messi e Robben. O brasileiro jogou sem fugir da responsabilidade, marcou quatro gols e só não foi mais longe por causa do joelho de Zuñiga que atingiu uma vértebra e que o tirou da Copa, o holandês Robben foi infernal com suas arrancadas mortais e passes precisos, já o argentino Messi levou sua seleção à final e também foi decisivo em algumas partidas. Ele acabaria sendo eleito o craque da Copa pela FIFA.

Da euforia à decepção: um sonho que virou pó


64 anos depois o Brasil voltava a sediar uma Copa do Mundo e a esperança era de que o time conquistasse em casa o título para apagar de vez os fantasmas de 1950. A campanha brasileira na Copa não foi aquela que o torcedor sonhava, muito pelo contrário em nenhum momento o Brasil justificou o favoritismo que a torcida esperava. Com praticamente o mesmo time que ganhou a Copa das Confederações do ano passado Felipão apostava em sua experiência e confiança.




A estreia contra a Croácia na Arena Corinthians foi nervosa, o Brasil saiu atrás com gol contra de Marcelo, mas Neymar empatou ainda no primeiro tempo. No segundo o Brasil conseguiu a virada com a ajuda do juiz que viu pênalti inexistente de Lovren em Fred e Neymar converteu. Oscar fechou o placar em 3 x 1. No segundo jogo contra o México em Fortaleza o goleiro Ochoa virou paredão e o Brasil tentou o gol, mas ficou no 0 x 0. O último jogo foi contra Camarões em Brasília e o Brasil goleou sem convencer por 4 x 1. Estávamos nas oitavas



A partir daí a campanha ganha ares de drama. Contra o Chile pelas oitavas um jogo dramático e tenso, depois do 1 x 1 nos 90 minutos e nos 30 minutos extras. A seleção esteve à beira de ser eliminada perto do fim da prorrogação quando Pinilla chutou e a bola bateu no travessão. O alívio veio graças à Júlio César que pegou dois pênaltis na decisão. Mas o que ficou marcado foi a cena do choro do capitão Thiago Silva que recusou a cobrar um pênalti.




E veio o jogo das quartas contra a Colômbia em Fortaleza e os zagueiros resolveram na melhor atuação da seleção. A partir daí a seleção desceu ao inferno. Uma joelhada atingiu a vértebra de nosso melhor jogador. O joelho de Zuñiga pegou nas costas de Neymar e foi constatada uma fratura que levaria um mês para se recuperar. Perdemos Neymar pro resto da Copa. Pra piorar, Thiago Silva também fica de fora da semifinal por tomar o terceiro cartão amarelo. O Brasil estava em uma encruzilhada que não terminaria bem.

FATO DO ANO: Mineiratzen, o vexame dos vexames, a maior derrota de toda a história














Cenas de um jogo pra se esquecer: Alemanha mostrou superioridade e goleou o Brasil sem dó enterrando o sonho de um hexa que não existiu

8 de julho de 2014, um dia que ninguém jamais vai esquecer. Um dia em que o outrora país do futebol perdia de vez essa condição. A seleção brasileira escrevia no Mineirão sua página mais triste da história de um século. Uma mancha que levará séculos para cicatrizar. Irreconhecível a seleção descia de vez ao inferno. Com uma escalação desastrosa, Felipão cavou sua cova abrindo mão de um volante escalando Bernard no lugar de Neymar, mas o pequenino atacante nem sequer foi páreo para os alemães. E como se estivessem treinando contra um time de meninos a seleção alemã construiu de forma avassaladora o placar que humilhou uma nação. O primeiro gol saiu de uma cobrança de escanteio e Thomas Müller estava livre e sem marcação abriu o caminho para uma vitória histórica. Perdida em campo a seleção não sabia o que fazer e então vieram os seis minutos que destruíram um time. O gol de Miroslav Klose, o segundo da goleada foi também o 16º dele em Copas ultrapassando Ronaldo Nazário. E tinha mais: dois minutos depois veio o terceiro gol num chutaço de Toni Kroos indefensável. Nem deu tempo pra respirar e a Alemanha como um rolo compressor chegou ao quarto gol. No erro bisonho de Fernandinho, Kroos roubou a bola, tabelou com Khedira e fez o seu segundo gol na partida. O desastre veio com o quinto gol marcado por Khedira que tabelou com Özil e fez o seu. 5 x 0 e eram apenas 30 minutos de jogo no primeiro tempo. Diante do resultado inacreditável, torcedores abandonam o estádio. O Brasil tenta jogar no começo do segundo tempo, mas as chances pararam em Neuer, uma muralha. Tendo piedade a seleção alemã só tocou a bola e ainda marcou mais dois, ambos marcados por Schürrle. No final Oscar marcava o gol de honra. Placar final: 7 x 1. A maior e mais vergonhosa derrota de todos os tempos no ano do centenário, um massacre sem dó, um show de bola, um baile e em uma semifinal de Copa do Mundo. Foi o maior vexame de todos os tempos da seleção e a maior derrota em casa desde 1920. Ainda restaria a disputa do terceiro lugar, mas sem padrão tático, poder de reação e inspiração perdemos de forma apática para a Holanda por 3 x 0 e terminamos a tão sonhada Copa em casa num decepcionante quarto lugar. Para Felipão foi o fim da linha. Terminava o sonho do hexa em casa. O Brasil tomou 14 gols sendo dez nos dois últimos jogos, realmente esse time não merecia mesmo ganhar o mundial em casa.

Campeões em tudo: Alemanha conquista o tetra de forma merecida



Götze foi o herói do tetra alemão e Lahm ergue a taça: planejamento e conjunto foram fatores para chegar ao tetra

Foi um título bem planejado, construído tijolo por tijolo. O futebol alemão estava no fundo do poço em 2000 quando foi eliminado da Eurocopa na primeira fase. Foi a senha para uma revolução no futebol da Alemanha. A união de clubes, jogadores e dirigentes deu origem a centenas de centros de treinamento espalhados pelo país com o objetivo de garimpar talentos e os frutos começaram a ser colhidos na Copa de 2006 quando surgiram jogadores talentosos como Philip Lahm, Bastian Schweinsteiger e Lukas Podolski que levaram seu país ao terceiro lugar jogando em casa, quatro anos depois vieram Manuel Neuer, Thomas Müller, Mesut Özil e Sami Khedira. A fábrica não parou e este ano surgiram mais jogadores de talento como Toni Kroos, um volante completo e habilidoso, André Schürrle e Mario Götze. Outro fator que vale ressaltar foi a condição de trabalho para que Jurgen Klinsmann e depois Joachim Löw pudessem desenvolver o trabalho e manter a base. E a coroação de tudo isso finalmente veio na tarde do dia 13 de julho quando venceram na final a Argentina no Maracanã. Foi a Copa deles. No lugar da frieza, simpatia. O povoado de Santa Cruz Cabrália recebeu de braços abertos a delegação alemã e nos 48 dias que estiveram no país os jogadores entraram no clima: Neuer e Schweinsteiger cantaram o hino do Bahia, torceram pelo Brasil antes de humilharem no campo, dançaram com índios, se sentiram em casa. O mais brasileiro dos alemães foi Podolski que nas redes sociais conquistou os brasileiros com mensagens em português. A campanha começou com goleada em cima de Portugal e quem brilhou mais foi Thomas Müller que fez três, depois empatou na garra com Gana e Klose chegava ao 15º gol dele se igualando a Ronaldo e fechou a primeira fase vencendo os Estados Unidos. Nas oitavas tiveram trabalho diante da esforçada seleção da Argélia e só venceram na prorrogação. Nas quartas contra a França o zagueirão Hummels resolveu tudo, aí veio o passeio em cima dos anfitriões na semifinal e então veio a final contra a Argentina. O herói do título foi Mario Götze que entrou na prorrogação e depois de receber passe de Schürrle tocou pro gol dando o tetra à seleção alemã. Título mais que merecido de um time que soube se reinventar e com um jogo coletivo consistente e com méritos chegou lá.

Pós Copa: Dunga volta para reconstruir o time


Dunga retorna á seleção e tema árdua missão de reconstruir um time em ruínas

Depois da derrota humilhante Felipão saiu e Dunga voltou ao comando do time. Na sua segunda passagem até agora Dunga venceu todos os jogos com 14 gols marcados e apenas um sofrido. Para 2015 os desafios serão em dobro: a Copa América em junho no Chile e o começo das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018 na Rússia que já tem data pra começar: 14 de junho de 2018.




Aqui no Blog de knunes a Copa ganhou tratamento especial. Em abril trouxemos a série sobre a História das Copas desde 1930 até 2010 e que foi ao ar duas vezes por semana. No mês de maio trouxemos o raio x das 32 seleções que jogaram o mundial, nos sábados o perfil dos convocados e uma semana antes apresentamos as arenas. Na cobertura dos jogos uma média de 4 a 5 fotos foram colocadas e nos jogos do Brasil de 15 a 20. Ainda avaliei os jogadores dando notas de 0 a 10, mas o mais legal foi ver e assistir de perto dois dos sete jogos do mundial que foram sediados no Mané Garrincha: Suíça e Equador e Brasil e Camarões.

A retrospectiva faz uma pausa pro Natal e volta na sexta com as frases e personalidades que foram notícia no ano.

Comentários

Kleber Nunes disse…
Passados quase seis meses do vexame ainda é cedo pra dizer se o Dunga vai ter sucesso para reconstruir o time. O que vimos nessa Copa foi que essa seleção não estava mesmo preparada pra vencer. Muita pressão por parte da torcida, imprensa e a cabeça desses jovens jogadores não aguentou o rojão. Faltou experiência e nervos de aço para esse time. Essa é uma das lições que fica pra 2015 e o Dunga terá seriedade pra dar jeito nesse time.

Postagens mais visitadas deste blog

A Bela do Domingo: Flávia Alvarenga

Em sua penúltima edição, o quadro A Bela do Domingo traz hoje a jornalista Flávia Alvarenga.



Formada em Jornalismo pela Universidade de Brasília, Flávia Alvarenga está há dez anos na Rede Globo de Brasília e começou sua carreira sendo produtora de reportagem no DF TV 1ª edição em 2002, ano em que se formou.









Em 2004 o formato da previsão do tempo foi mudado e Flávia assumiu a apresentação do quadro nos telejornais locais. Em 2005 passa a fazer reportagens de rua e acumula ainda a apresentação do bloco local do Globo Esporte até outubro de 2008. A jornalista também pode ser vista eventualmente na previsão do tempo do Jornal Nacional e nos outros telejornais. Atualmente está à frente do Bom Dia DF, telejornal que vai ao ar às 6:30 da manhã.

No domingo que vem tem a última Bela do Domingo da temporada de 2011.

A Bela do Domingo: Cecília Malan

O quadro A Bela do Domingo de hoje traz a jornalista Cecília Malan.



Maria Cecília Malan nasceu em 16 de abril de 1983 e se formou em jornalismo pela PUC do Rio. Filha do ex-ministro da Fazenda Pedro Malan já morou em Nova York, Washington, Paris e Brasília quando decidiu voltar ao Brasil em 2002.









Em 2005 inicia carreira como estagiária do Bom Dia Brasil e depois virou trainee. Em 2007 se torna editora do noticiário internacional e desde 2011 atua no escritório da Globo em Londres. Primeiramente como produtora e depois passou a dividir reportagens. Dentre as coberturas mais importantes destaca - se a dos atentados ocorridos em janeiro de 2015 ao jornal Charlie Hebdo quando foi alvo de críticas nas redes sociais devido à sua demonstração de ficar com medo ao ouvir disparos de armas de fogo. E desde então participa do Bom Dia Brasil e dos demais telejornais da casa com entradas ao vivo da capital inglesa.

Semana que vem tem mais.

A Bela do Domingo: Izabella Camargo

O quadro A Bela do Domingo de hoje traz a jornalista Izabella Camargo.



Seu nome de batismo é Izabella Spaggiari Brazil Camargo, nascida em Apucarana em 1º de fevereiro de 1981. Aos 16 anos deixou sua cidade natal e veio para São Paulo onde foi uma das garotas do programa de games Fantasia no SBT entre 1997 e 1999.





Fez curso no Senac de rádio e TV, fez jornalismo na Faculdade São Judas Tadeu e pós graduação e marketing na Faculdade Cásper Líbero. Em 2003 fez programas de entretenimento na rádio Energia 97, depois na Jovem Pan. Em 2005 integrou o time de apresentadores do canal Shop Tour e em janeiro de 2006 passou a integrar o time de locutores do canal de notícias Band News onde ficou até 2009. Voltou ao SBT onde apresentou por uma semana o extinto Olha Você. Em junho do mesmo ano passou a fazer parte da equipe de jornalismo da Rede Bandeirantes.





Durante os três anos em que esteve na emissora participou do rodízio de apresentadores do Jornal da Band e ao mesmo tempo cobrindo as férias…

A Bela do Domingo: Lana Canepa

O quadro A Bela do domingo de hoje traz a jornalista Lana Canepa.


Lana Karine Prieto Canepa Mundim iniciou carreira no jornalismo como produtora, repórter e editora em uma emissora afiliada da Rede Globo no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul cobrindo assuntos de Brasília.









Em 2005 apresentou o programa independente Beleza em Foco na TV Brasília. Em 2007 se forma em Ciência Política na UnB, em 2010 se torna repórter da Globo Brasília cobrindo acontecimentos locais. Em 2012 em sua primeira passagem pela Band se torna editora e repórter do Jornal da Band, logo depois se mudou pra Curitiba onde foi professora da PUC e trabalhou para o jornal Gazeta do Povo até 2016 quando passou pela TV Justiça e depois retornou para a Band voltando a atuar como repórter de política do Jornal da Band. O seu desempenho fez com que a direção de jornalismo do canal a escolhesse para cobrir recentemente as férias de Paloma Tocci e possivelmente a licença maternidade em breve.

Semana que vem tem mais.

A Bela do Domingo: Bruna Roma

O quadro A Bela do Domingo está de volta e para abrir a temporada 2014 a primeira homenageada é a jornalista Bruna Roma.



Bruna Silva Roma nasceu em 23 de fevereiro de 1988 em Guaratinguetá, no interior do estado de São Paulo onde viveu até os 20 anos. Cursou Comunicação Social com habilitação para Jornalismo em Taubaté e em 2009 participa do programa de estagiários da Rede Globo. Durante o estágio dividiu o trabalho na capital paulista e a universidade no interior onde se forma em 2010.















Em 2010 logo que se formou passou a fazer parte da equipe de repórteres da Globo de São Paulo e ficou durante dois anos. Em janeiro de 2012 se muda pra Fortaleza onde começa a trabalhar na TV Verdes Mares, afiliada da Rede Globo na capital cearense, três meses depois apresentou um quadro de diversão e arte no telejornal CE TV 1ª edição e em julho do mesmo ano assumiu a apresentação do Encanta Ceará que homenageia os artistas que se destacam no estado. Em julho do ano passado deixa a Verdes Mares e reto…

A Bela do Domingo: Marisy Idalino

O quadro A Bela do Domingo de hoje traz a atriz e apresentadora Marisy Idalino.



Nascida em 10 de maio de 1984 em Osasco, Marisy Idalino iniciou no balé e aos 15 anos inicia carreira no teatro. Aos 17 anos se muda pra São Paulo onde tenta fazer a faculdade de Direito, mas faltando dois anos desiste e retorna para o teatro.









Fez testes publicitários e passou para um deles na TV Gazeta onde ficou por três meses fazendo merchandising no programa Todo Seu com Ronnie Von. Depois passou por Mega TV, Record e Bandeirantes até que em 2012 ela retornou à Gazeta, primeiro no TV Culinária e depois como stand by nos programas Você Bonita, Mulheres e Revista da Cidade. Chegou a namorar com o ator Rodrigo Phavanello, mas o casamento foi cancelado a poucos dias de ser realizado.

Semana que vem tem mais.

A Bela do Domingo: Williane Rodrigues

O quadro A Bela do Domingo de hoje traz a jornalista Williane Rodrigues.



Nascida na capital federal em 10 de junho de 1981, Williane Rodrigues queria ser atriz, chegou inclusive a encenar peças, mas acabou indo para o jornalismo e antes mesmo de se formar já exercia a profissão estagiando na TV Bandeirantes e na Radiobras. Em 2002 já formada pelo CEUB inicia carreira como repórter na TV Brasília.











Poucos meses depois começou a apresentar telejornais na casa. Três anos mais tarde se muda pro SBT onde se torna editora e apresentadora do Cidade Viva. Em 2007 se torna repórter de rede para o SBT Brasil onde trazia reportagens sobre política. No fim de 2008 assume o projeto de revitalização do jornalismo local da emissora apresentando o Jornal do SBT Brasília e desde agosto de 2013 assume o comando do SBT Brasília substituindo Neila Medeiros trazendo interatividade e levando a notícia de uma forma diferenciada. Ano passado ao comentar uma notícia de que uma adolescente jogou um gato da jane…

A Bela do Domingo: Lizandra Trindade

O quadro A Bela do Domingo de hoje traz a jornalista Lizandra Trindade.



A carioca Lizandra Trindade começou a atuar no jornalismo em 2007 quando iniciou carreira como repórter do programa Agenda na Globo News.









Foram quatro anos fazendo reportagens e entrevistas com artistas. Em maio de 2010 se tornou repórter do Globo Universidade no lugar de Bianca Rothier que se mudou pra Suíça. Foram três anos apresentando reportagens sobre as profissões e o mercado de trabalho. Ano passado começou a trabalhar com esporte e atualmente é uma das repórteres da equipe da Globo no Rio de Janeiro e na maioria das vezes tem reportagens suas no Globo Esporte.

Semana que vem tem mais.

A Bela do Domingo: Mariana Becker

O quadro A Bela do Domingo de hoje traz a jornalista Mariana Becker.


Há 18 anos na Rede Globo, a jornalista gaúcha de 41 anos já viajou por 34 países desde 2007 quando passou a acompanhar o mundo da Fórmula 1.













Com carreira iniciada em 1995 na área geral, depois passando para o esporte a repórter chegou a participar de três edições do Rali dos Sertões, sendo duas delas pilotando. A sua experiência acabou levando a jornalista ao mundo da F1 a partir de 2007 quando foi escalada pela primeira vez. Desde então ela superou preconceitos e mesmo assim recebeu poucas cantadas por parte de colegas do mundo. Hoje em Interlagos, Mariana estará com o time da Globo na transmissão do Grande Prêmio do Brasil, prova que encerra a temporada 2013. Ela é casada com o produtor Jayme Britto e mora em Mônaco desde 2008.

Semana que vem tem mais.

A Bela do Domingo: Fernanda de Freitas

O quadro A Bela do Domingo de hoje traz a atriz Fernanda de Freitas.



Nascida em São José do Rio Preto em 25 de fevereiro de 1980 Fernanda de Freitas foi professora de balé por cinco anos e aos 19 anos deixou a academia onde lecionava para tentar a sorte no Rio de Janeiro e seu começo de carreira foi como uma das Garotas do Zodíaco no extinto Planeta Xuxa. A partir daí ela não deixou mais de aparecer na telinha.





Em 2002 fez sua primeira novela, Coração de Estudante no papel de Heloísa e no ano seguinte foi uma das apresentadoras da TV Globinho e fez participação em Kubanacan como Consuelo. Em 2004 fez o papel de Amanda em Como uma onda. Em 2005 fez o papel de Cathy mc Gould em Bang Bang, depois fez Pé na Jaca e Negócio da China.



A partir de então se dedica a participar de séries e programas como A Turma do Didi, S.O.S Emergência e Tapas e Beijos num papel de destaque além de reencarnar a personagem Marina da Glória que foi interpretada por Tássia Camargo na releitura da Escolinha do Pr…