domingo, 2 de outubro de 2016

A Bela do Domingo: Cláudia Abreu

O quadro A Bela do Domingo de hoje traz a atriz Cláudia Abreu.



Cláudia Abreu Fonseca completará 46 anos no próximo dia 12 e além de ser atriz é formada em Filosofia. Estreou em novelas aos 16 anos na novela Hipertensão, antes fez um episódio do Teletema. Seu primeiro papel foi de Luzia, no ano seguinte emplaca sua primeira novela no horário nobre, O Outro onde fez o papel de Zezinha. Em Fera Radical (1988) fez o papel de Ana Paula e no mesmo ano substituiu Isabela Garcia na apresentação do Globo de Ouro. Em 1989 na novela Que Rei Sou Eu?fez o papel da princesa Juliette apresentando seu lado cômico.





Em Barriga de Aluguel (1990) se destacou no papel de Clara, a moça que alugou o útero para outra mulher e a discussão para ver quem ficaria com a criança mobilizou a sociedade. Em 1992 foi o grande destaque de Anos Rebeldes no papel da militante Heloísa e a cena de sua morte no último capítulo entrou pra história ao mesmo tempo foi considerada a musa das manifestações no impeachment de Fernando Collor e foi agraciada com o prêmio de melhor atriz pela APCA, dois anos mais tarde protagoniza a novela Pátria Minha de Gilberto Braga onde fez o papel da etudante Alice que travou uma guerra com o empresário Raul Pellegrini (Tarcísio Meira). A partir de 1995 participa de produções esporádicas como A Comédia da Vida Privada, A Vida como ela é que foi exibido no Fantástico e nas minisséries Canudos e Labirinto. Seu retorno às novelas foi em Força de um Desejo exibida em 1999 no papel da escrava Olívia. Em 2001 atua no cinema no filme O Xangô de Baker Street e no mesmo ano nasceu sua primeira filha com o cineasta José Henrique Fonseca, Maria. Em 2002 participa de O Quinto dos Infernos e em 2003 volta às novelas como a vilã Laura Prudente da Costa em Celebridade. A vilã aprontou e muito pra cima de Maria Clara, personagem de Malu Mader, sua amiga na vida real e rendeu o Prêmio Contigo de melhor atriz.





Após recusar o papel de Sol que seria de Deborah Secco em América passou a fazer cinema e atuou em Os Desafinados. Voltou em Belíssima (2005) no papel de Vitória que passou por tudo pra vencer a oposição de Bia Falcão (Fernanda Montenegro). Ficou de fora de Paraíso Tropical por conta de sua segunda gravidez e recusou papel em Beleza Pura, voltou a atuar então em Três Irmãs na pele de Dora. Em 2012 mais uma personagem de destaque, a cantora tecnobrega Chayenne, rival das Empreguetes de Cheias de Charme, atualmente reprisada no Vale a Pena Ver de Novo. Em 2014 fez o papel de Pamela Parker em Geração Brasil e agora está de volta em A Lei do Amor, novela de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari que estreia amanhã. Ela será Helô, a mocinha da trama e vai viver um romance com Pedro, personagem de Reynaldo Gianecchini na segunda fase a partir de sexta. Na primeira fase os personagens serão interpretados por Isabelle Drummond e Chay Suede.

Semana que vem tem mais.

Nenhum comentário: