domingo, 18 de setembro de 2016

Paralimpíada chega ao fim e Brasil se despede de um ciclo inesquecível

O Rio de Janeiro e o Brasil encerram neste domingo um ciclo histórico pro esporte com o encerramento dos Jogos Paralímpicos Rio 2016.

Hermes de Paula/Ag. O Globo

 Cerimonia de encerramento das Paralimpiadas Rio 2016 Foto: Hermes de Paula / Agência O Globo

A cerimônia de encerramento começou com Sons do silêncio vindo na sequência a cantora Gaby Amarantos que fez a contagem regressiva. Logo depois uma mistura de estilos e sons com Armandinho, Andreas Kisser e Jonatha Bastos que tocou com os pés. O tenor Saulo Laucas cantou o hino nacional brasileiro. Na sequência entraram as bandeiras das delegações. O Brasil com Ricardinho do futebol de 5 como porta bandeira foi bastante aplaudido. As atrações musicais prosseguiram com Vanessa da Mata, Céu e Nação Zumbi. Imagens da transmissão internacional captara um cartaz dizendo Fora Temer nas costas do guitarrista da banda. O prêmio Whang Youn Dai que é dado para atletas que representam o espírito paralímpico. O cantor Saulo Fernandes cantou a música One Love de Bob Marley. A bandeira paralímpica foi agitada por Eduardo Paes que passou para Phillip Craven e em seguida para a governadora do Japão simbolizando a passagem de bastão para Tóquio.

Guilherme Leporace/Ag. O Globo e André Durão/globoesporte.com

Encerramento da Paralimpiada Foto: Guilherme Leporace / Agência O Globo



Os japoneses apresentaram seu cartão de visitas mostrando o que será a próxima Paralimpíada. A modelo japonesa Gimico, a primeira japonesa amputada demonstrou que é possível alcançar os sonhos que se deseja. Logo depois veio a parte de discursos: primeiro Carlos Arthur Nuzman que mais uma vez exaltou a capacidade do povo brasileiro dizendo que a missão foi cumprida, na sequência Philip Craven pediu um minuto de silêncio em respeito ao ciclista iraniano que morreu em acidente. Logo depois Saulo Fernandes voltou para o palco para cantar sucessos da música baiana debaixo de uma chuva forte, depois Nego do Borel, Dream Team do Passinho e astros do funk cantaram seus sucessos. Gaby Amarantos cantou Não vá embora demonstrando o sentimento com o fim dos jogos. O americano Callum Scott cantou a música Diamonds. Ivete Sangalo entrou no palco do estádio e cantou A Paz de João Donato e Gilberto Gil. 300 crianças com cataventos impulsionara o vento e a pira paralímpica foi apagada simbolizando o fim oficial dos jogos. Depois Ivete e Callum Scott fizeram dueto e a cantora baiana cantou outros sucessos encerrando de forma oficial as Paralimpíadas Rio 2016 que agora é história.

E aqui coloco um ponto final em mais uma cobertura especial e integrada junto do FC Gols. Durante 11 dias trouxemos exemplos de superação e amor ao esporte. O Brasil diz adeus à Olimpíada e a Paralimpíada. Um novo ciclo começa e agora ficam os legados que os dois megaeventos deixarão na mente dos cariocas e dos brasileiros. Posso dizer que também fiz parte da história ao assistir na Olimpíada duas sessões de futebol e que dificilmente será repetido da mesma forma o Patryck deve se sentir parte da história quando esteve no Parque Olímpico. E chega ao fim um ciclo histórico que começou com o Pan de 2007, passou pela Copa do Mundo de 2014, chegou à Olimpíada Rio 2016 e desemboca na Paralimpíada. Este é um ciclo que talvez nunca mais teremos de novo.

E o movimento olímpico e paralímpico segue até Tóquio!

Nenhum comentário: